Síria – Ucrânia: A Conexão Sinistra.


Shaun Walker, um jornalista britânico, visitou a Ucrânia em julho para destacar a situação no leste do país. Ele compartilhou sua impressão em seu artigo publicado pelo The Guardian.

Na verdade, Walker não disse nada de novo sobre os batalhões muçulmanos que lutam ao lado das forças do regime da Ucrânia; ele apenas confirmou mais uma vez o fato de que há uma relação estreita entre nacionalistas ucranianos e islâmicos unidos na luta contra o inimigo comum – a Rússia. Os batalhões Dzhokhar Dudayev e Sheikh Mansour vieram para a Ucrânia na última primavera. As unidades são tripuladas por cidadãos estrangeiros, principalmente vindos dos estados-membros da União Europeia. De acordo com as leis da Ucrânia ainda em vigor, os «batalhões muçulmanos» são formações armadas ilegais. Seus combatentes são criminosos que agem «em conluio como um grupo criminoso cometendo dois ou mais assassinatos premeditados».

Depois da ilegalidade prevalecer sobre o Estado de direito na Ucrânia (esse foi o principal motivo para fazer as pessoas se levantarem contra o regime em Donbass, na parte oriental da Ucrânia, onde grupos armados indo em um tumulto se tornou uma rotina diária. Isso não é mais percebido como algo incomum. A quadrilha de islâmicos armados é formalmente chamada Batalhão International Dzhokhar Dudayev de Manutenção da Paz.

A Dinamarca foi o primeiro país onde a formação do «Batalhão muçulmano» foi anunciado. Ele estava estacionado no território da Ucrânia para travar uma guerra terrorista contra a Rússia. O anúncio foi feito no início de março de 2014, uma semana após o golpe de Estado em Kiev. A criação da unidade foi iniciada pela organização chamada Cáucaso Livre, que em 03 de março de 2014 tornou público o seu total apoio ao euromaidan e ao novo governo da Ucrânia. É chamado de «todos os países democráticos do mundo unidos contra o império russo do mal». O batalhão foi liderado por Isa Munayev, chefe do Cáucaso Livre. O líder terrorista disse, «qualquer inimigo da Federação Russa é automaticamente meu amigo».

Ele morreu na batalha de Debaltsevo em fevereiro de 2015. Adam Osmayev de 34 anos, – um filho de um homem rico que fez fortuna no negócio do petróleo, liderou o batalhão após a morte de Munayev. Munayev foi enviado para lutar contra o “império do mal russo” a partir da Dinamarca. A Grã-Bretanha serviu como uma base de lançamento para Osmayev. O atual comandante do batalhão Dzhokhar Dudayev viveu lá por um longo tempo (1994-2001). Graham Phillips escreveu que Osmayev «deve ser colocado em uma lista de terroristas procurados no Reino Unido».

Mas a Grã-Bretanha não fez isso. Talvez os britânicos precisem dele para os seus próprios propósitos. De acordo com Graham Phillips, ele viajou para Odessa, na Ucrânia, com um passaporte falso em 2012. Lá, durante o governo de Yanukovich, ele foi preso por sua participação em atividades terroristas. Os novos governantes da Ucrânia libertaram-no em novembro de 2014. De acordo com suas próprias palavras, ele foi libertado da prisão no ano passado para chegar à linha de frente em Debaltsevo «dentro de um ou dois dias».

Adam Osmayev disse a Shaun Walker que está tentando seduzir chechenos para lutar na Síria (de acordo com estimativas, entre 200-1000 chechenos estão lutando lá nas fileiras das forças anti-governamentais). «Se os ucranianos tivessem as condições adequadas eles teriam vindo aqui ao invés de lá». As atividades para criar «as condições adequadas» estão a caminho.

De acordo com Walker, o batalhão Sheikh Mansur tem uma mais abertamente inclinação islâmica. Seu comandante, que daria seu nome apenas como «muçulmano», não escondeu o fato de que ele pertencia ao movimento terrorista subterrâneo Norte Europeu que realizou uma série de ataques terroristas horrendos, como o cerco do teatro Nord-Ost em Outubro de 2002 e o massacre na escola de Beslan em setembro de 2004. Muçulmano disse que duas vezes cruzaram a fronteira entre a Ucrânia e a Polônia ilegalmente quando ele foi se encontrar com Munayev.

Hoje, o batalhão Sheikh Mansur já com guerreiros nas suas fileiras que receberam experiência de combate na Síria lutando com a oposição contra o governo. A ligação Síria-Ucrânia está se tornando uma ligação sinistra. Havia 2 milhões de cristãos na Síria (cerca de 10% de toda a população), antes da guerra. Os militantes desencadearam um verdadeiro terror contra eles. O número de mortos entre os cristãos é estimado em milhares, as pessoas são queimadas vivas e crucificadas, os terroristas cortam as suas cabeças fora… O mundo fecha os olhos a isso. A cristandade está morrendo na Síria.

A conexão Síria-Ucrânia não veio à luz ainda, mas existem muitas razões para acreditar que é uma parte do grande projeto. Atualmente, o grupo armado chamado «o batalhão checheno nomeado após Sheikh Mansour» atua no Donbass. Ele compartilha o quartel com Pravy Sector, organização extremista da Ucrânia. O regime ucraniano está reunindo militantes anti-cristãos de todos os cantos do mundo: islâmicos, ultra-nacionalistas, racistas, e neo-nazistas. E é só o começo…

Autor: Vladislav GULEVICH

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Strategic Culture