Seis grandes histórias que as grandes mídias corporativas não querem que você saiba.


Denúncias, ecocídio, acordos comerciais ultra secretos e obscuros laços entre o Estado islâmico e aliados mais próximos do Ocidente… aqui estão alguns temas quentes que a grande mídia mal noticiou em 2015.

Você pode até ter ouvido falar sobre alguns deles, mas não tanto quanto você deveria. Aqui estão as notícias mais importantes do ano passado que escolhemos, todas praticamente ignoradas pela imprensa corporativa.

1. Qualquer tragédia que não é do Centro-Ocidental.

O derramamento de fúria, desespero e tristeza pela imprensa corporativa sobre os ataques em Paris, em 13 de novembro, foram destacados pela mídia em relação às vítimas ocidentais do terrorismo. Houve dois atentados suicidas no Líbano no dia antes dos acontecimentos em Paris, matando 37 e ferindo 180, mas eles não foram mencionados tanto como na cobertura sensacionalista da tragédia da França, nem foram mencionados nos minutos de silêncio e vigílias realizadas em todo o mundo Ocidental, como deveria.

A partir dos horrores da guerra civil sangrenta do Congo até a perseguição de Erdogan aos turcos curdos, desde o reinado do terror permanente da Boko Haram na Nigéria, Chade e Camarões até à situação dos refugiados sudaneses, a mídia parece escolher quais vidas humanas merecem nossa empatia e quais não são tão importantes.

2. Indonésia em chamas.

Como já relatado anteriormente, os incêndios florestais que causaram a devastação da Indonésia, para o povo do país e para a vida selvagem no ano passado, foram amplamente ignorados pela grande mídia até vários meses após o evento devastador ter começado. Os incêndios foram iniciados por madeireiros para limpar o caminho para as polêmicas plantações do óleo de palmeira e causou problemas de saúde para mais de um milhão de pessoas. O Banco Mundial estima que os incêndios destruíram 2,6 milhões de hectares (6,4 m de acres) de floresta entre Junho e Outubro, custando US$ 16.1 bilhões e causando a perda incalculável de vida para os animais em vias de extinção, que dependem das florestas para a sua sobrevivência. Aterrorizados orangotangos fugindo do desastre foram abusados ​​de forma doentia por alguns aldeões indonésios.

O ecocídio, que é um termo jurídico em criação para responsabilizar causadores de desastres que acarretam destruição ao ecossistema, nesta escala deveria ter sido uma das maiores histórias de 2015, mas com excepção do colunista Guardian e ativista ambiental George Monbiot (que atacou a indústria pela censura do evento), a tragédia foi amplamente ignorada para proteger os interesses corporativos.

3. Lei Marcial na França.

Os ataques terroristas em Paris foram usados como justificativa pelos governos francês, britânico e alemão para se juntar aos ataques militares na Síria. Eles também foram usados ​​como justificativa pelo governo francês para restringir severamente as liberdades dos franceses. Como já relatado, imediatamente após os terríveis acontecimentos de 13 de novembro, o governo francês começou a fechar sites de notícias alternativas. O presidente também declarou que a casa de alguém poderia ser pesquisada sem um mandado, os sites poderiam ser bloqueados sem aviso, e cidadãos poderiam ser colocados sob prisão domiciliar sem julgamento.

Ativistas esperando para marchar em Paris na Conferência do Clima do mês passado ficaram decepcionados ao saber que o estado de emergência da França também incluiu a proibição de protestos. Alguns políticos franceses estão forçando para instalar rastreadores GPS em veículos, re-escrever a Constituição para permitir a lei marcial, bloquear o wi-fi gratuito e o Tor, e combinar bases de dados estaduais, o que daria o acesso ao estado dos registros médicos pessoais dos cidadãos.

A Anistia Internacional, juntamente com muitos blogueiros franceses, expressaram preocupação de que o governo havia imposto a lei marcial em resposta ao ataque terrorista. Eles têm um ponto: não é uma restrição das liberdades em casa exatamente o que os extremistas querem? John Dalhuisen, diretor da Anistia Internacional da Europa e da Ásia Central, disse em novembro: “É um paradoxo suspender os direitos humanos, a fim de defendê-los.”

Muitos blogueiros concordaram e disseram que estavam com medo sobre a situação da França. Um deles escreveu: “Eu estou atualmente vivendo em Paris, a cidade onde alguns fanáticos mataram as pessoas porque elas foram ouvir música, assistir a um jogo de futebol, ou simplesmente desfrutar de cervejas em um bar. Eu estava morando no bairro onde aquele trágico evento aconteceu. Agora eu estou com medo. Eu não tenho medo de terroristas. Estou com medo do meu próprio país. Estou com medo porque diferente agora está começando a significar perigoso.”

O homem anônimo continua: “Parece que ser um ecologista é o suficiente para obter a prisão domiciliar. Antes dessa reforma de 20 de Novembro esta frase era reservada para as pessoas “cuja atividade é perigosa”, agora há sérios motivos para crer que o seu comportamento constitui uma ameaça”. Estamos quase no crime de pensamento. ”

Medidas de emergência na França foram relatadas pelos meios de comunicação, mas houve pouca análise ou debate sobre se são justificadas: o mito de que temos de negociar nossos liberdades para conseguir a segurança tornou-se uma parte normal da vida cotidiana.

4. A Verdade Sobre o Estado Islâmico.

Em 2015, True Activist relatou em um crescente corpo de evidências que sugerem fortemente que o Estado Islâmico:

    – Nunca existiria, se não fosse pela terrível manipulação do Pentágono para a invasão ilegal do Iraque em 2003.
    – É financiado e armado pelos aliados ocidentais, Turquia e Arábia Saudita.
    – Continua a crescer devido às vendas de petróleo para a Turquia.
    – Podem ter ligações com o governo britânico e Israel.
    – Pode ser parte de um mega plano geopolítico dos EUA e Grã-Bretanha para desestabilizar a região, usando a imprensa corporativa que mentir para o público, a fim para ganhar apoio popular para as guerras do petróleo mais intermináveis.

A grande mídia continua a vender a velha e cansativa narrativa que a coalizão ocidental está na Síria especificamente para combater o Estado Islãmico, se isso fosse verdade, seria lógico para esses países apoiar a Rússia na guerra contra a organização terrorista. No entanto, a cobertura de Vladimir Putin na imprensa corporativa continua a ser inteiramente negativa, apesar do fato de a Rússia tomar sozinha 40% da infra-estrutura do Estado islâmico em apenas uma semana. As revelações acima foram completamente censuradas pela imprensa corporativa, que é cada vez menos credível a cada dia.

5. O Parlamento britânico votou contra a democracia.
As palavras nesta imagem são tomadas a partir de um discurso real e muito preocupante do primeiro-ministro britânico David Cameron no ano passado: “Por muito tempo, temos sido uma sociedade tolerante passivamente, dizendo aos nossos cidadãos: contanto que você obedeça a lei, vamos deixá-lo sozinho.”

Uma citação real e muito preocupante veio do primeiro-ministro britânico David Cameron e tem levado muitos britânicos a se perguntar se a democracia ainda existe.

No mês passado, um político Inglês se levantou no Houses of Parliament e fez um discurso pedindo a reforma eleitoral. Seu pedido, apoiado por milhares de cidadãos, foi bloqueado. O Reino Unido tem um sistema arcaico de votação que é inadequado e totalmente antidemocrático: após o impopular primeiro-ministro David Cameron vencer a eleição em 2015, com apenas 36% dos votos, milhões de britânicos se sentiram enganados. A petição foi lançada para exigir a representação proporcional, em vez do conhecido sistema ‘first past the post’, o que beneficia os grandes partidos políticos mas nunca as alternativas. Em suma, a Grã-Bretanha não é a nação justa, democrática que finge ser. A notícia de que o pedido de Jonathan Reynold (vídeo aqui) para um sistema mais justo foi rejeitado deveria ter sido uma grande história no Reino Unido, mas os meios de comunicação britânicos mal cobriram.

6. A realidade das ultra secretas ofertas do Livre Comércio.
Protestos contra TTIP têm sido generalizados na Europa. Créditos: Global Justice Now, Flickr.

O TTIP (Acordo para a Parceria Trans-Atlântico) TISA, (Comércio de Contrato de Serviços) e TPP (Acordo de Parceria Trans-Pacífico) são acordos ultra secretos e altamente controversos que vão afetar a vida de todos os cidadãos do planeta, contudo nós aparentemente não temos o direito de decidir se queremos eles- ou mesmo de saber os detalhes exatos do projeto de legislação.

O TIPT, em particular, é de grande preocupação. Como já relatado, o negócio corre o risco de permitir as corporações processarem os governos que não fazem o que é dito, acabar com a privacidade on-line, fazer o procedimento padrão fracking http://www.sourcewatch.org/index.php/Fracking_regulations em 28 países, privatizar os sistemas de saúde europeus, forçar os alimentos geneticamente modificados sobre os cidadãos que não estão dispostos, tirar as nossas liberdades civis e assegurar que as corporações tenham controle sobre o Parlamento Europeu.

Julian Assange chama o TTIP “A coisa mais importante acontecendo na Europa neste momento”, razão pela qual o Wikileaks está levantando uma recompensa de € 100.000 (cem mil euros) por qualquer informação relativa ao negócio. O site diz do TTIP: “Resta segredo quase em sua totalidade, bem guardado pelos negociadores, e apenas as grandes corporações têm acesso especial aos seus termos. O TTIP cobre metade do PIB global e é um dos maiores acordos de seu tipo na história. O TTIP visa a criação de um bloco econômico global fora do âmbito da OMC, como parte de uma estratégia econômica geopolítica contra os países do BRICS: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.”

Considerando o impacto que todos estes três acordos comerciais terão sobre a democracia, os direitos humanos, a segurança alimentar e o ambiente, a sensibilização do público deve ser generalizada. É preocupante, um grande número de pessoas sabem quase nada sobre TTIP, TISA e TPP.

Longe de questionar o sigilo de tais acordos importantes ou incitar um debate público fundamental sobre se esses acordos são éticos e democráticos, a cobertura convencional tem censurado o que é negativo e geralmente fornecido uma visão parcial dos benefícios deste corporativo desse ‘assumir o controle’ do mundo. 1


Globo News demite jornalista por comentário independente.

Um dia antes de ser demitido da GloboNews, onde estava desde 1997, Sidney Rezende publicou um texto em seu perfil no Facebook e em seu blog pessoal fazendo duras críticas ao jornalismo praticado no Brasil.

Intitulado “Chega de notícias ruins”, o texto defende que notícias positivas também merecem espaço na mídia e lamenta: “Se pesquisarmos a quantidade de boçalidades escritas por jornalistas e ‘soluções’ que quando adotadas deram errado daria para construir um monumento maior do que as pirâmides do Egito. Nós erramos. E não é pouco. Erramos muito.”

Sem citar nomes, nem veículos, Rezende escreveu: “Há uma má vontade dos colegas que se especializaram em política e economia. A obsessão em ver no Governo o demônio, a materialização do mal, ou o porto da incompetência, está sufocando a sociedade e engessando o setor produtivo”.

Como noticiou o colunista Flavio Ricco, no UOL, a demissão de Rezende foi anunciada na sexta-feira (13/11/15). “Relações profissionais podem ser interrompidas, sem que isso signifique que não possam ser retomadas mais adiante. A Globo só tem elogios à conduta profissional de Sidney, um jornalista completo”, informou a emissora em nota.

No texto que publicou no dia 12, o jornalista observou: “Uma trupe de jornalistas parece tão certa de que o impedimento da presidente Dilma Rousseff é o único caminho possível para a redenção nacional que se esquece do nosso dever principal, que é noticiar o fato, perseguir a verdade, ser fiel ao ocorrido e refletir sobre o real e não sobre o que pode vir a ser o nosso desejo interior. Essa turma tem suas neuroses loucas e querem nos enlouquecer também”.

Rezende escreveu ainda: “O Governo acumula trapalhadas e elas precisam ser noticiadas na dimensão precisa. Da mesma forma que os acertos também devem ser publicados. E não são. Eles são escondidos. Para nós, jornalistas, não nos cabe juízo de valor do que seria o certo no cumprimento do dever.” 2

Fonte 1: Global Research.ca e True Activist Autora: Sophie McAdam
Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte 2: Blog do Maurício Stycer.