Como as armas hipersônicas russas podem impedir a invasão americana da Rússia.


COMPARTILHE NA REDE SOCIAL |

Os meios russos de defesa hipersônica.

O Exército dos EUA tem implantado na Europa e na Ásia um contingente limitado de soldados incapazes de iniciar apenas a invasão da Rússia de fato, nem poderia fazer contando com os outros exércitos da OTAN. Os EUA, que incluiram o controle dos mares entre os seus objetivos de guerra em 1941, impõe seu domínio por 7 décadas, graças às suas forças navais, três vezes superiores às da Rússia, capazes de intervir em qualquer parte do mundo.

De acordo com o Pentágono, 12 porta-aviões são necessários para controlar todos os oceanos, a Marinha dos EUA tem atualmente 10 destes navios e está construindo mais três. O Pentágono também tem um comando gigantesco que conta com centenas de navios de guerra, especializados na operação de implantação de divisões de fuzileiros navais, blindados, veículos, forças de operações especiais para participar de uma invasão hipotética da Rússia. Assim, grupos expedicionários navais dos EUA, organizados em torno de porta-aviões, navios de desembarque anfíbio e comboios navais de tropas e material de guerra, são considerados como a maior ameaça à segurança da Rússia.

Os grupos navais e os meios de desembarque em massa de tropas americanas a partir dos navios de transporte estão sob a proteção de vários tipos de escudos de mísseis balísticos. Este é o sistema naval AEGIS, armado com mísseis SM-3 block 1B que neutralizam mísseis balísticos em voo de cruzeiro em altitudes entre 100 e 150 quilômetros. Esse sistema é instalado em cruzadores e destróieres Aegis que se somam ao escudo de mísseis balísticos instalado na Polônia e na Romênia.

Além disso, o sistema móvel THAAD das forças terrestres é responsável por defender os meios de desembarque. Esses sistemas devem abater mísseis balísticos quando eles começam a fase de entrada na atmosfera em altitudes entre 80 e 120 quilômetros. Adicione a isso as baterias antiaéreas móveis de mísseis de longo alcance, do tipo Patriot, equipados com capacidades anti-balísticas contra os mísseis a entrar na fase final de sua trajetória, a 35 000 metros.

Os artefatos em vôo na atmosfera da Terra são classificados de acordo com a faixa de velocidade. Eles se diferenciam assim:

  • Aparelhos voando a velocidades subsônicas (até 1.220 km/h ou Mach 1),
  • Aparelhos supersonicos cuja velocidade é entre Mach 1 e Mach 5 (até 6 000 km/h)
  • E dispositivos hipersônicos, voando a velocidades entre Mach 5 e Mach 10 (ou seja, até de 12000 km/h).

Os russos descobriram que os mísseis anti-balísticos norte-americanos não podem interceptar nenhum míssil hipersônico na mesosfera (entre 35000 e 80000 metros de altitude). Portanto, a nova doutrina de defesa da Rússia afirma que o antídoto russo para os grupos expedicionários e os comboios navais são militares hipersônicos significa mover-se em altitudes que variam de 35000 a 80000 metros.

O Ministério da Defesa russo alocou entre 2000 e 5000 milhões para a Fundação de Pesquisa Avançada (ARF) – o equivalente russo ou DARPA [3] do Pentágono – para o projeto de uma variedade de meios hipersônicos derivados do artefato espacial Yu-71 (Projeto 4202). Entre 2011 e 2013, o Yu-71 foi testado em túneis de vento e desde 2013 a abril de 2016 testes foram conduzidos na atmosfera, com lançamentos desde mísseis estratégico ligeiros UR-100 e R-29RMU2. O Yu-71PT é um pouco semelhante ao projeto HTV-2, abandonado pelos EUA em 2014.

O artefato espacial Yu-71 provou ser capaz de voar a velocidades entre 6.000 e 11.200 km/h a uma distância de 5.500 km a uma altitude de cruzeiro inferior a 80.000 metros. Tem sido chamada de “planador espacial” porque, ao contrário dos mísseis balísticos tem uma sensibilidade aerodinâmica de 5:1 (razão de sustentação/arraste), o que lhe permite adaptar-se aos impulsos repetidos de um motor de foguete, efetuando assim manobras de elevação de trajetória.

Além do motor do foguete capaz de iniciar e parar várias vezes, o planador espacial Yu-71 carrega ogivas independentes, com sistemas de guia autonomos semelhantes aos de mísseis terra-ar Kh-29 L/T e Kh-25 T. A Doutrina militar russa espera que o ataque contra a frota de invasão americana seja executado em 3 ondas, com 3 alinhamentos, impediando assim que os grupos expedicionários navais posicionem-se próximo da costa russa do Mar Báltico.

  • A primeira onda de armas supersônicas derivadas do planador espacial Yu-71, instaladas nos submarinos russos de propulsão nuclear que manobram no Atlântico, podem lidar com porta-aviões, porta-helicópteros, submarinos de ataque, navios de carga ou de proteção dos grupos expedicionários navais nestas unidades no momento em que começarem a atravessar o Atlântico para a Europa.

  • A segunda onda de armas hipersônicas seria lançanda nos grupos navais norte-americanos quando estes estes estiverem a 1.000 km ao longo da costa leste do Oceano Atlântico. Esse ataque seria lançado de submarinos russos instalados no Mar de Barents, ou a partir da base de mísseis estratégicos de Plesetsk, localizada perto do Círculo Polar Ártico e do Mar Branco.

  • A terceira onda de armas hipersônicos seria lançada nos grupos navais inimigos quando alcaçarem o estreito de Skagerrak (passagem entre o Mar do Norte e o Mar Báltico). Esse ataque seria realizado com mísseis hipersônicos 3M22 Zirkon, movidos por motores scramjet e lançados dos aviões russos Zirkona a uma velocidade de Mach 6.2 (6.500 kmh), a uma altitude de cruzeiro de 30.000 metros, e a energia cinética de impacto com o alvo seria 50 vezes mais elevada do que dos mísseis ar-mar e mar-mar existentes hoje em dia.

A Rússia também está desenvolvendo uma variante da arma hipersônica derivada do Yu-71 que pode ser lançada a partir do avião russo de transporte militar pesado Il-76MD-90A (II-476). Esta aeronave tem uma distância máxima de voo de 6.300 km e capacidades de abastecimento em vôo. Os grupos navais dos EUA precisam de 5 ou 6 dias para chegar ao mar Báltico, mas o avião russo Il-76MD-90A pode chegar em apenas horas os 3 alinhamentos calculados para o lançamento de armas hipersônicas. Embora seja um segredo bem guardado, parece que a arma hipersônica pode ser lançada através da escotilha do avião Il-76MD-90A, a 10.000 metros de altitude, e está equipado com um pára-quedas de estabilização que a mantem na vertical até que ocorra o arranque do motor do foguete. Como 50% do combustível de um míssil é consumido apenas no esforço para levantar o dispositivo do chão e levá-lo para as camadas extremamente densas da atmosfera, até 10.000 metros, o peso do iniciador e do planador espacial [que não tem que fazer o esforço que acabamos de mencionar] é apenas metade do peso de um míssil R-29RMU2 balístico leve, que pesa 40 toneladas.

Os vôos de bombardeiros estratégicos Tu-160 e Tu-95, que tinham sido suspensos em 1992, bem como o avião Il-76 (convertidos em aeronaves de abastecimento em vôo Il-78), foram retomados em 2012, ao longo das costas do Atlântico e do Pacífico. Entre seus objetivos está garantir a formação das tripulações para as futuras missões de lançamento de armas hipersônicas.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Almanar

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA