O serviço das ONGs dos EUA na Rússia e na China: desestabilizar ambos esses países.


Levou duas décadas para a Rússia e China compreenderem que as organizações para a democracia e os direitos humanos que operam nos seus países eram organizações subversivas subsidiadas pelo Departamento de Estado e uma coleção privada de instituições americanas organizados por Washington. O propósito real dessas organizações não-governamentais (ONGs) é fazer avançar a hegemonia de Washington de desestabilizar ambos os países capazes de resistir a hegemonia dos EUA.

A Quinta Coluna de Washington na Rússia e na China.

George Soros financia ONGs que exercem seu papel desestabilizador nos países nos quais se visa enfraquer suas políticas, criar desordem e depois roubar suas riquezas.

A quinta coluna em Washington montou revoluções coloridas nas ex-províncias russas, como a Geórgia, o local de nascimento de Joseph Stalin, e na Ucrânia, uma província da Rússia durante séculos.

Quando Vladimir Putin foi eleito pela última vez, Washington foi capaz de usar sua quinta coluna para despejar milhares de manifestantes nas ruas de Moscow que alegaram que Putin tinha roubado a eleição. A propaganda americana não teve efeito sobre a Rússia, onde os cidadãos apoiam o seu presidente em 89%.

Como a Rússia mudou em 15 anos após Putin assumir o poder.

Os outros 11% consistem quase inteiramente de russos que acreditam que Putin é muito mole contra a agressão ocidental. Esta minoria também apóia Putin. Eles só querem que ele seja mais rigoroso. A porcentagem atual da população que Washington foi capaz de se transformar em agentes de traição é de apenas 2% a 3%. Estes traidores são os ocidentais, atlantistas integracionistas, que querem que seu país se torne um estado vassalo da América em troca de dinheiro. Dinheiro para eles, obviamente.

Mas a capacidade de Washington para colocar sua quinta coluna nas ruas de Moscow teve um efeito sobre os americanos e os europeus descuidados e mal informados. Muitos ocidentais acreditam hoje que Putin roubou a eleição e tem a intenção de utilizar o seu mandato para reconstruir o império soviético e esmagar o Ocidente. Não golpeando o Ocidente é difícil de fazer. O Ocidente tem mais ou menos já esmagado a si mesmo.

A China, obcecada com o projeto de ficar rica, foi um alvo fácil para Washington. A Fundação Rockefeller oferece suporte a professores pró-americanos em universidades chinesas. As empresas dos EUA que operam na China estão criando Conselhos de Administração desnecessários em que os membros da família da classe política no poder são nomeados e pagos com elevadas ‘taxas de diretores’. Isso prejudica a lealdade da classe dirigente chinêsa.

Com a esperança de ter comprometido a classe dominante da China com dinheiro, em seguida, Washington lançou suas ONGs de Hong Kong em protestos, na esperança de que isso se propagaria para a China e a classe dominante, comprada com dinheiro americano, ficaria lenta para ver o perigo.

A Rússia e China têm finalmente compreendido. É estranho que os governos dos dois países que Washington considera ‘ameaças’ foram por tanto tempo tão tolerantes com as ONGs financiadas do exterior. A tolerância russa e chinêsa para a Quinta Coluna de Washington deve ter encorajado muitos neoconservadores americanos, empurrando o mundo mais perto de um conflito.

Mas como dizem, todas as coisas boas tem de acabar. O Saker diz que a China eventualmente, toma medidas para proteger-se da subversão de Washington.

Nós, americanos, temos de ser humildes, não arrogantes. Precisamos reconhecer que o modo de vida americano, exceto para os privilegiados 1%, declina a longo prazo e isso por duas décadas. Se a vida na Terra deve continuar, os americanos precisam entender que esta ameaça não é a Rússia e China, assim como acharam que fossem Saddam Hussein, Gaddafi, Assad, Iêmen, Paquistão e Somália ameaças para os Estados Unidos. A ameaça reside inteiramente na ideologia neoconservadora louca da hegemonia de Washington sobre o mundo e o povo americano.

Esta meta arrogante empurra os Estados Unidos e seus estados vassalos para a guerra nuclear.

Se os americanos acordassem, eles seriam capazes de fazer algo sobre o seu desonesto governo fora de controle? Será que os europeus, que sofreram os efeitos devastadores da Primeira e da Segunda Guerra Mundial, são capazes de entender que os danos para a Europa nestas guerras são pequenos em comparação com o prejuízo de uma guerra nuclear?

Se na União Européia houvesse um governo inteligente e independente, iria proibir absolutamente cada país membro de receber uma base de mísseis ou qualquer outra base militar em qualquer lugar perto das fronteiras da Rússia.

Se os grupos lobistas de Washington que exercem pressão na Europa Oriental querem vingança contra a União Soviética, uma entidade que já não existe entre nós. Seu ódio mudou para a Rússia. A Rússia nada tem feito exceto ter falhado ao ler a doutrina Wolfowitz e perceber que Washington está tentando dominar o mundo, exigindo a vitória sobre a Rússia e a China.

Leia também: Do que um país precisa no século 21 para ser invadido por uma superpotência global ou uma coalizão.

Leia também: George Soros

Autor: Paul Craig Roberts

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Nota: Quinta-coluna é uma expressão usada para se referir a grupos clandestinos que atuam, dentro de um país ou região prestes a entrar em guerra (ou já em guerra) com outro, ajudando o inimigo, espionando e fazendo propaganda subversiva, ou, no caso de uma guerra civil, atuando em prol da facção rival. Por extensão, o termo é usado para designar todo aquele que atua dentro de um grupo, praticando ação subversiva ou traiçoeira, em favor de um grupo rival.

O quinta-colunismo não se dá no plano puramente militar mas também por meio da sabotagem ou da difusão de boatos, “atacando de dentro” ou procurando desmobilizar uma eventual reação à agressão externa.

Fonte: Strategic Culture.org