Agenda Globalista da China: A China Moderna, uma Criação de Wall Street.


Finalmente, a China deve fazer uma declaração inequívoca de apoio à globalização. O Presidente Xi Jinping fará a declaração globalista no Fórum Econômico Mundial, em Davos, durante os dias 17 e 20 de janeiro. Esta reunião de Davos é relatada a se concentrar no aumento da reação anti-globalista como exemplificado pela eleição de Trump. Também provavelmente abordará a preocupação com o surgimento do “populismo”, a manifestação política conservadora do anti-globalismo que não é tão fácil de cooptar como a variável “ala de esquerda”, conforme indicado – novamente – pela oposição teatral da esquerda a Trump.

Esta reunião de Davos prevê um balanço de despedida por plutocratas dos EUA e seus frontmens, com os EUA representados pelo vice-presidente Biden e secretário de Estado John Kerry em seus atos presumivelmente notáveis ​​​​nesses cargos.

O que o presidente Xi vai sublinhar é a “globalização inclusiva”, ao mesmo tempo em que condena o “populismo” como promotor de “guerra e pobreza”. Sua agenda de globalização para Davos foi delineada por Jiang Jianguo, chefe do Gabinete de Informação do Conselho de Estado, que disse a um simpósio organizado pela Organização Mundial do Comércio em Genebra que “o Presidente Xi iria a Davos para promover o desenvolvimento, a cooperação e a globalização econômica, Para construir “uma comunidade humana com destino partilhado”. (‘China; Xi para promover a globalização em Davos, não guerra e pobreza’, Reuters, 11 de janeiro de 2017′). Jiang explicou:

    “Com o surgimento do populismo, do protecionismo e do nativismo (nacionalismo), o mundo chegou a uma encruzilhada histórica, onde um caminho leva à guerra, à pobreza, ao confronto e à dominação, enquanto o outro conduz à paz, ao desenvolvimento, à cooperação e a soluções mutuamente benéficas”. (Ibid).

O vice-ministro das Relações Exteriores, Li Baodong, disse em um comunicado sobre Davos: “A China responderá às preocupações da comunidade internacional sobre a globalização, apresentando as opiniões de Pequim sobre como” orientar a globalização econômica para uma maior inclusão”. Li disse que as críticas ao proteccionismo comercial dirigidas contra a China, por Trump e outros, eram injustas. “O protecionismo comercial levará ao isolamento e não interessa a ninguém”, disse ele. (Ibid).

Leia também: A Globalização como produção da desigualdade e da pobreza em escala global.

Aqui temos a retórica primária que os globalistas têm usado há muito tempo. As supostas exigências e expectativas de uma “comunidade internacional” é um eufemismo para a “comunidade internacional” dos oligarcas e a “opinião pública” gerada pelos seus meios de comunicação de massa. Fazendo isso em nome de “paz, desenvolvimento e cooperação” é indicativo que a China adota a palavra-chave que tem sido usada pelos políticos ocidentais desde que os Quatorze Pontos de Woodrow Wilson promovem o “livre comércio” como um objetivo de guerra em nome de uma “Nova Ordem Mundial”, como é chamada agora. As aventuras imperiais desde Alexandre, o Grande, foram justificadas em nome da paz e da cooperação, e na era de hoje muitas vezes por referência aos “direitos humanos”. A Segunda Guerra Mundial foi travada pelos EUA no interesse – novamente – do livre comércio mundial (globalização) como declarado abertamente na Carta Atlântica de Roosevelt. A devastação da Sérvia para obter a riqueza mineral do Kosovo através da globalização foi empreendida em nome da “paz e cooperação”. Existe agora um departamento de privatização do Kosovo. E assim podemos continuar a história até hoje, com as aventuras imperiais, guerras e revoluções que foram empreendidas em nome da “paz”. A China salta a bordo do movimento globalista e seu verdadeiro rosto está exposto agora que existe um presidente eleito dos EUA que fez alguns comentários indicando que o comércio globalista e as políticas externas dos Estados Unidos podem ser revertidas. Agora que as linhas de interesse estão sendo definidas de forma mais direta,

    A China é forçada a mostrar sua mão como um partidário primário da globalização. De fato, se Trump inverter o globalismo, apesar da proeminência de luminares de Goldman Sachs como seus conselheiros econômicos, a China emergirá como o principal patrocinador estadual da globalização, com Soros, Goldman Sachs e Rockefeller agarrando os casacos.

A China é sempre dominada pelo interesse próprio em nome de slogans teóricos. Enquanto pratica uma economia de comando, exige que outros estados permaneçam abertos ao seu dumping. Na situação da Nova Zelândia, o aço chinês, recentemente de baixa qualidade, foi importado. Existe atualmente uma investigação sobre o dumping de aço, mas há sempre preocupações quando questões são levantadas em relação ao comércio com a China que ela vai retaliar. Trata-se de “parceria” e de “cooperação”, tal como definidas pela China; O outro “parceiro” deve permanecer sempre subordinado. Essa subordinação exigida faz parte da mentalidade da China ao longo de milênios, quando o imperador foi mantido como o governante mundial, conforme ordenado pelo céu. Esta mentalidade imperial substituiu o estado pelo imperador. O dumping de aço é um exemplo prático do que a China quer dizer com “globalização”. (‘MBIE lança uma investigação sobre o dumping do aço chinês”, Stuff Business Day, 23 de Dezembro de 2016’).

O onipotente Henry Kissinger

O vice-ministro das Relações Exteriores Li acrescentou que “os canais de comunicação estão abertos” entre a China e a equipe de transição de Trump no fórum”, mas alertou que agendar uma reunião pode ser difícil”. Novamente, a atitude é de dominação e desprezo pelo estrangeiro por trás dos sorrisos e apertos de mão e ternos de estilo ocidental. No entanto, independentemente da política de Trump, a oligarquia dos EUA está sempre assegurando contato influente com a China através do perene Henry Kissinger. O ex-secretário de Estado, que esteve perto de interesses oligárquicos e especialmente de Rockefeller durante a maior parte de sua longa vida, não perdeu tempo ao assegurar que, independentemente de Trump, as relações da China com os globalistas serão mantidas. Por que a China precisaria manter relações diplomáticas formais com um governo Trump, quando haveria negócios como de costume via passeios de Kissinger entre os níveis mais altos de negócios americanos e chineses?

Kissinger, cuja assim chamada “diplomacia do ping pong” trouxe a China para o sistema comercial mundial durante a década de 1970, estava cumprindo um grande objetivo dos globalistas e, em particular os interesses de Rockefeller centrados em torno da Comissão Trilateral e do Conselho de Relações Exteriores. Bloomberg News informa que Kissinger estava em Pequim logo após a eleição de Trump, depois de ter conversas secretas com Trump em 18 de novembro. Kissinger disse à CNN que “as pessoas não deveriam bombardear” Trump “nas posições que ele tomou na campanha em que ele não insiste”. (‘China, lutando com Trump, retorna ao “Antigo Amigo” Kissinger’, Bloomberg News, 2 de dezembro de 2016′).

Se salvar empregos da globalização, que Trump claramente identificou com a China, não é uma linha de fundo para o presidente eleito, então nada é. É preocupante se Trump indicou a Kissinger que os comentários sobre a China e a globalização eram apenas retórica eleitoral. Certamente, as nomeações para o Gabinete da Goldman Sachs não promovem a confiança.

    Kissinger encontrou-se com o Presidente Xi, agradecendo-lhe por ter explicado “a natureza do seu pensamento e os objetivos da sua política de longo prazo”; Enquanto Xi respondeu que ele era ‘todo ouvidos para o que você tem a dizer sobre a situação mundial atual eo futuro crescimento das relações China-EUA’.

Gao Zhikai, intérprete do falecido líder chinês Deng, que freqüentemente se encontrou com Kissinger, disse que Kissinger estava em “uma posição única” para atuar como “um mensageiro” entre os EUA e a China. – Ninguém poderia substituí-lo – disse Gao. “Nenhum outro americano poderia ter o mesmo respeito dos líderes chineses ou ter trocas honestas com líderes chineses”. (Ibid).

O relatório da Bloomberg afirma que Kissinger visitou a China 80 vezes desde sua viagem secreta em 1971 (de acordo com a agência de notícias oficial Xinhua) para restabelecer as relações diplomáticas e conheceu todos os líderes chineses desde Mao. ‘A mídia Estatal tecia louvor a ele durante cada visita, descrevendo-o como um “velho amigo do povo chinês”‘. (Ibid).

Leia também: O Grupo Bilderberg: A quem Governos, Mídia e Grandes Corporações servem.

“Kissinger estava entre alguns especialistas dos EUA – incluindo o ex-secretário do Tesouro Hank Paulson e Elaine Chao, nomeada de Trump para o cargo de secretária de transporte – que Xi reuniu em fevereiro de 2012 antes de tomar o poder. O grupo aconselhou Xi que a comunicação freqüente com seu contraparte americano era mais importante do que repetir visitas formais, de acordo com uma pessoa familiarizada com a reunião que pediu para não ser identificado porque as conversações eram privadas. (Ibid.)

Isso indica como a diplomacia mundial funciona: acima e além do nível formal do governo; Entre oligarcas e seus embaixadores como Kissinger. Podemos acrescentar que o globalista republicano Paulson, apoiando Hillary Clinton, condenou o “populismo” de Trump, mas recentemente elogiou a escolha de Trump de Steven Mnuchin como secretário do Tesouro, vindo de sua posição como CEO da Goldman Sachs. (‘O ex-apoiante de Hillary Henry Paulson elogia a escolha de Trump para o tesouro’, Newsmax, 30 de novembro de 2016′).

Brzezinski

O veterano russofóbico, Zbigniew Brzezinski, conselheiro de segurança nacional de Jimmy Carter, e Kissinger, por muito de sua vida aos interesses de Rockefeller, é também uma figura fundamental em estabelecer relações entre os EUA e a China. Brzezinski serviu como diretor fundador da Comissão Trilateral, estabelecida por David Rockefeller com o objetivo de promover as relações entre a China e os oligarcas globalistas. Em uma entrevista recente com Huffington Post Brzezinski reiterou a agenda globalista, incluindo o alarme sobre a propagação do “populismo” e da vitória de Trump. Como Kissinger, Brzezinski continua a ser um jogador proeminente na diplomacia internacional. Suas opiniões indicam que os oligarcas ocidentais e a China estão de acordo. Brzezinski permanece como anti-Rússia e por ser ele pró-China, expressa a linha que foi lançada para os meios de comunicação de massa que a Rússia interfere com a política interna, embora o National Endowment for Democracy tenha sido patrocinado pelo governo dos EUA precisamente para esse fim. Tendo sido o negociador da política “Uma China” dos EUA, Brezinski foi questionado sobre sua reação à audácia de Trump de aceitar um telefonema congratulatório do presidente de Taiwan, ofendendo a China. Como durante a Guerra Fria, os estrategistas norte-americanos ainda vêem a China como um elemento importante na contenção da Rússia:

Leia também: China e Rússia podem cair na armadilha preparada por EUA?

“O perigo que vejo está provocando antagonismo nessa relação privilegiada da política externa americana sem qualquer realização estratégica significativa. Não é do nosso interesse antagonizar Pequim. É muito melhor para os interesses americanos que os chineses trabalhem em estreita colaboração conosco, forçando assim os russos a seguirem o exemplo se não quiserem ser deixados de fora no frio. Essa constelação dá aos Estados Unidos a capacidade única de alcançar através do mundo com influência política coletiva. … Um mundo em que a América e a China estão cooperando é um mundo no qual a influência americana é maximizada. Se reduzimos isso através de irritações estúpidas, o que conseguimos?” (Nathan Gardels,”Brzezinski: A influência global da América depende da cooperação com a China”, The World Post, Huffpost, 23 de dezembro de 2016)

Brzezinski vê o acordo sino-americano como “maximizando” o poder dos EUA. Perguntaram-lhe se as indicações pró-Rússia de Trump seriam úteis para conter a China como rival dos EUA. A resposta de Brzezinski é um inequívoco “não”. Ele vê os verdadeiros jogadores de poder como os EUA e a China em conjunto, como parte do “pacote dominante”, e a Rússia como mantida subordinada.

“A Rússia não é uma rival para a América em termos do que ela tem para oferecer ao lidar com a China. Os chineses sabem muito bem que, embora possamos estar enfraquecidos, esgotados e confusos, a América é basicamente ainda a número um no mundo, e eles, os chineses, também são quase um número um. A China tem assim uma escolha a fazer. Se optar por estar contra a América, acabará perdendo. É mais no seu interesse para pertencer ao bloco dominante. O inverso é também verdadeiro para os EUA se eles empurram a China.” (Ibid).

Brzezinski usa o mesmo raciocínio para justificar a hegemonia globalista mundial como a que agora é defendida pelo presidente Xi em Davos; Que apenas a supremacia sino-americana pode assegurar a estabilidade global. A Rússia não tem importância. Ela pode ser mantida pelos dois super-poderes hegemonistas. A China está lendo o roteiro globalista escrito por Kissinger e Brzezinski. Brzezinski continua:

“Para sublinhar a realidade estratégica que já esbocei, os EUA e a China são as potências dominantes do mundo. Na medida em que temos trabalhado juntos ao longo dos anos desde a normalização das relações, não foi para o mal propósito da guerra ou conquista, mas para o bem de reforçar a segurança e a estabilidade necessária para cada um prosseguir os seus próprios interesses. No mundo de hoje, a China não pode liderar sozinha. Nem os EUA podem. Para colocar de modo mais nítido, embora pareçam termos paradoxos, se a América tenta ir sozinha no mundo sem a China, não será capaz de se afirmar. Se mantivermos isso em mente, podemos começar, gradualmente, a moldar um mundo que é mais estável do que o mundo de hoje, que é muito instável e muito imprevisível. Os interesses a longo prazo da América reside fundamentalmente no aprofundamento dos nossos laços com a China, não na sua erradicação por ganhos perceptíveis a curto prazo”. (Ibid).

Como os Globalistas criaram a China Moderna

A “revolução popular” na China foi tão falsa quanto “revoluções espontâneas” na Europa Oriental e no Norte da África que Soros / NED patrocinou. Embora este não seja o lugar para examinar como os EUA se livraram de Chiang Kai-shek e como Taiwan sob Chiang perseguiu um sistema genuinamente autárquico durante décadas, examinaremos brevemente como os oligarcas conseguiram a China como parte do sistema econômico globalista. Em uma história oficial do Conselho de Relações Exteriores, o CFR Peter Grose explica:

Leia também: Afinal quem manda no mundo? As ONGs e fundações do mal articulam Golpes de Estado, a Globalização e a Corrupção Bancária.

“O Conselho voltou-se fervorosamente para o problema da China comunista no início da década de 1960. Várias publicações do Conselho começaram a desenvolver a idéia de uma política de “duas Chinas” – reconhecimento tanto do governo nacionalista de Taiwan como do governo comunista no continente. Isto, sugerem os autores do Conselho, pode ser a orientação política menos ruim. O professor A. Doak Barnett publicou um livro para o Conselho em 1960, China Comunista e Ásia. Um grande estudo do Conselho sobre as relações entre os Estados Unidos e a China começou em 1964, ano em que a China explodiu sua primeira bomba nuclear; O grupo se reuniu sistematicamente para os próximos quatro anos. “O contentamento com o atual impasse nas relações com os chineses não é um estado de espírito”, declarou Robert Blum, da Sociedade da Ásia, o primeiro diretor do projeto. “A impaciência americana e as fortes correntes de emoção política muitas vezes tornam impossível planejar com antecedência para administrar nossa política de forma perseverante, mas flexível.” (Peter Grose, Continuando o Inquérito: O Conselho de Relações Exteriores de 1921 a 1996, Nova York, Conselho de Relações Exteriores, 2006; ‘X’ dirige o Caminho’).

Robert Blum, analista do CFR China, é referido acima como um luminar da Sociedade da Ásia. A Sociedade da Ásia foi fundada em 1956 por John D. Rockefeller III, e continua a ser um importante jogador no cultivo de relações econômicas e diplomáticas com a China para o benefício dos grandes negócios.

    Taiwan apresentou um problema para os globalistas na medida em que os EUA tinham garantido a segurança da República.

O CFR, portanto, formulou uma solução dialética, aparentemente apoiando uma política de “duas Chinas” que na prática significaria que Taiwan poderia ser abandonada sem ser demasiado óbvio. Foi o que aconteceu, pois os Estados Unidos usaram a “política de duas Chinas” formulada anos atrás no CFR para garantir a entrada da China Vermelha nas Nações Unidas e para aderir a Taiwan. A abordagem do CFR era de uma promoção gradual do regime de Mao, denunciando as assim chamadas “fortes correntes de emoção” que estavam impedindo o relacionamento globalista com a China. No entanto, Grose é explícito sobre a atitude do CFR em relação à China:

“Isso parecia exatamente o tipo de impasse político que o Conselho de Relações Exteriores, livre de restrições eleitorais e partidárias, foi dotado para reparar. A meio do projeto, o Conselho publicou uma análise da opinião pública chamada O Povo Americano e a China por A. T. Steele, que chegou à conclusão inesperada de que os americanos estavam mais dispostos do que muitos dos seus eleitos a forjar novas relações com a China. Este estudo argumentou que era apenas uma dieta constante de declarações públicas hostis que tinham feito os americanos “dispostos a acreditar no pior da China comunista e eles [os chineses] no pior de nós.” (Ibid).

O CFR reformula a chamada “opinião pública”, a “comunidade internacional”. O relatório do CFR indica que eles acreditavam que o público seria suscetível a uma política pró-China, e o abandono de Taiwan. Grose continua:

Leia também: Capitalismo global desenfreado: as pessoas precisam acordar! O tempo está acabando!

Em 1969, o Conselho resumiu o projeto sob o título “Os Estados Unidos e a China nos Assuntos Globais”, e a publicação ocorreu exatamente como Richard Nixon, um inimigo de longa data e franco do comunismo chinês, tornou-se presidente dos Estados Unidos. (Alguns meses antes, o próprio Nixon tinha escolhido os Negócios Estrangeiros como seu fórum para explorar uma nova visão da Ásia em geral e da China em particular.) Inclinando-se para o congelamento predominante, o projeto do Conselho definiu uma política de duas Chinas com análise cuidadosa. Defendeu a aquiescência à adesão da China continental às Nações Unidas e argumentou que a América deve “abandonar seu esforço para manter a ficção de que o regime nacionalista é o governo da China” (ibid.).

Grose conclui citando Kissinger e Cyrus Vance em seus papéis cruciais de abrir a China Vermelha, inaugurando o processo que fez da China uma potência mundial:

Kissinger, agindo como assessor de segurança nacional de Nixon, embarcou em uma missão secreta em Pequim em 1971, para estabelecer um contato oficial e exploratório com o regime comunista. O próprio Nixon seguiu em 1972. O delicado processo de normalização das relações diplomáticas entre os Estados Unidos e a China foi concluído em 1978 pelo sucessor de Kissinger como secretário de Estado, Cyrus R. Vance, um líder do Conselho antes e depois do seu serviço governamental. (Ibid).

Agora, os frangos globalistas estão voltando para casa. O Sr. Xi vai a Davos com seu script globalista, mas uma demarcação foi esclarecida pelas referências de Trump à China e à globalização. O Sr. Xi afirma generosamente que a China está disposta a tomar o seu lugar na frente do processo de globalização. Esta é a situação que há muito é procurada por Rockefeller, Soros, Goldman Sachs, e o círculo trilateral na América, Ásia e Europa.

A China adotou o modelo de desenvolvimento econômico liberal ocidental. Não há contradição entre o liberalismo e o autoritarismo político. Já o vimos desde 1789 na França jacobina, e com que rapidez as democracias liberais respondem a uma situação de bombas e armas em nome dos “direitos humanos”. O que os globalistas ocidentais falam é que a China “se reforma”. Esta reforma tem vindo a avançar rapidamente durante décadas até que a China se posicione como co-igual aos EUA como uma hegemonia globalista; Fala a mesma conversa e caminha a mesma caminhada. Por outro lado, o que os oligarcas querem para a Rússia é muito diferente: “mudança de regime”. A Rússia não pode ser deixada em paz até que ela seja um membro subserviente de um sistema econômico internacional. A China é uma porta-dos-fundos globalista para a Rússia. A relação russo-chinesa parece ter trazido toda a China às custas da Rússia. Vale a pena lembrar que o BRICS foi uma idéia lançada pela Goldman Sachs. (KR Bolton “Banco de Desenvolvimento BRICS um instrumento para a globalização”, Foreign Policy Journal, http://www.foreignpolicyjournal.com/wp-content/uploads/2015/07/150714-BRICS-Development-Bank-KR-Bolton.pdf ).

Também significativo, embora pouco reconhecido, é que o modelo de desenvolvimento econômico liberal ocidental adotado pela China é um produto de uma civilização em um estado terminal de deterioração. A China procurou uma transfusão de um organismo doente.

Com o modelo econômico liberal chega concomitantemente elementos de degeneração moral e cultural. O caráter politicamente autoritário da China tentou minimizar esse impacto na China. Os imperadores através de milênios tentaram adaptar influências estrangeiras medidas enquanto mantinham o organismo-cultura chinês imune à decadência. Eles foram capazes de fazer isso, mantendo o nexus tradicional da China, e embora houvesse aumento cíclico e queda de muitas dinastias, a civilização chinesa permaneceu. Mao desencadeou a Guarda Vermelha durante a Revolução Cultural em uma tentativa zelosa de obliterar essa tradição. Recentemente, o regime chinês procurou reavivar algo da confusão chinesa e das tradições taoístas. Se isso é algo mais do que uma tentativa de manipular a tradição para manter a autoridade do regime é questionável. A China já enfrenta enormes problemas em termos de aumento da desagregação do casamento, onde uma vez não havia nenhum; A expansão urbana, o envelhecimento da população e outras questões relacionadas com uma civilização em um ciclo de decadência. Além disso, há os problemas de uma economia de mercado, como a poluição e o esgotamento do solo. A China é, como os maoístas outrora gostavam de afirmar sobre os EUA, “um tigre de papel”.

Autor: Kerry Bolton

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Katehon.com

Compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp http://wp.me/p26CfT-4zB

Acompanhe a série “Como será a vida no futuro: A Agenda Oculta da Nova Ordem Mundial” publicada todos os domingos em Dinâmica Global.

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA