Construção militar global da América: “Eles não têm razão para nos considerar uma ameaça. Não estamos olhando para um conflito com a Rússia.”


    “Desde Yalta, temos uma longa lista de vezes que tentamos nos envolver positivamente com a Rússia. Temos uma lista relativamente curta de sucessos a esse respeito. “- General James Mattis, o novo Secretário de Defesa

    “Por que, às vezes eu acreditei em até seis coisas impossíveis antes do café da manhã.” – Alice no País das Maravilhas

Se alguém sabe onde encontrar esta longa lista por favor envie-me uma cópia.

Essa ilusão é repetida periodicamente por oficiais militares americanos. Um ano atrás, após o lançamento do novo documento de segurança nacional da Rússia, nomeando ameaças tanto aos Estados Unidos quanto à expansão da aliança da OTAN, um porta-voz do Pentágono declarou: “Eles não têm razão para nos considerar uma ameaça. Não estamos à procura de conflitos com a Rússia”.

Entretanto, no início de Janeiro, os Estados Unidos embarcaram no seu maior acúmulo militar na Europa desde o fim da Guerra Fria – 3.500 soldados americanos desembarcaram, descarregando três navios de carga, com 2.500 tanques, caminhões e outros veículos de combate. As tropas seriam desdobradas na Polônia, Romênia, Bulgária, Alemanha, Hungria e pelos países bálticos. O tenente-general Frederick Hodges, comandante das forças americanas na Europa, disse: “Três anos depois que os últimos tanques americanos deixaram o continente, precisamos recuperá-los”.

As medidas, declarou o general Hodges, eram “uma resposta à invasão da Ucrânia pela Rússia e à anexação ilegal da Criméia. Isso não significa que necessariamente haja uma guerra, nada disso é inevitável, mas Moscow está se preparando para a possibilidade. “(Ver parágrafo anterior.)

Este aumento de janeiro de 2017 é uma reação a uma ação russa na Criméia de janeiro de 2014. O leitor alerta terá notado que os críticos da Rússia nos últimos anos, praticamente sem exceção, condenam a ação da Crimeia em Moscow e normalmente nada mais. Poderia ser porque não têm nada mais para condenar sobre a política externa da Rússia? Ao mesmo tempo, invariavelmente, deixam de assinalar o que precedeu a ação russa – a derrubada, com a ajuda indispensável de Washington, do governo ucraniano democraticamente eleito e amigo de Moscow, substituindo-o por um anti-russo, regime neo-fascista (literalmente), completo com saudações nazistas e símbolos parecidos com suásticas.

A Ucrânia e a Geórgia, ambas fronteiras da Rússia, são tudo o que resta para completar o cerco EUA/OTAN. E quando os EUA derrubaram o governo da Ucrânia, por que a Rússia não deveria ter se alarmado enquanto o círculo estava prestes a fechar ainda mais apertado? Mesmo assim, os militares russos apareceram na Ucrânia apenas na Criméia, onde os russos já tinham uma base militar com a aprovação do governo ucraniano. Ninguém poderia ter impedido Moscow de tomar sobre toda a Ucrânia se eles quisessem.

No entanto, os Estados Unidos têm razão. A Rússia é uma ameaça. Uma ameaça à dominação americana do mundo. E os americanos não podem abalar sua educação. Aqui está o veterano radialista da Rádio Pública Nacional, Cokie Roberts, lamentando o desejo declarado de Trump de desenvolver relações amistosas com a Rússia: “Este país teve uma política consistente por 70 anos em relação à União Soviética e à Rússia, e Trump está tentando desfazer isso”. A guerra nuclear seria melhor do que isso!

Notícias falsas, edição falsa.

Toda a ênfase tem sido sobre se uma notícia particular é fatualmente correta ou incorreta. No entanto, esse não é o principal problema com a mídia convencional. Uma notícia pode ser fatualmente correta e ainda ser muito tendenciosa e enganosa por causa do que foi deixado de fora, como a informação relevante sobre a “invasão” russa da Criméia, mencionada acima. Mas quando se trata de verdadeiras notícias falsas é difícil superar o recorde da CIA na América Latina, como revelado por Philip Agee, o principal denunciante de todos os tempos.

Agee passou 12 anos (1957-1969) como oficial de caso da CIA, a maioria na América Latina. Seu primeiro livro, Inside the Company: CIA Diary, publicado em 1974, revelou como era uma tática comum da agência para escrever editoriais e falsas notícias para serem publicadas conscientemente pela mídia latino-americana sem indicação da autoria da CIA ou pagamento da CIA para os particulares meios de comunicação. O valor de propaganda de tal item de “notícias” poderia ser multiplicado por ser pego por outras emissoras da CIA na América Latina que iriam divulgá-lo através de uma agência de notícias de propriedade da CIA ou uma estação de rádio de propriedade da CIA. Algumas dessas histórias fizeram seu caminho de volta aos Estados Unidos para serem lidas ou ouvidas por desconhecidos norte-americanos.

A Grande Muralha do Sr. T.

Muito mais barato. Muito mais fácil. Muito mais humano. Muito mais popular. … Basta parar de derrubar ou desestabilizar governos ao sul da fronteira.

E os Estados Unidos certamente têm a obrigação moral de fazer isso. Assim, muitos dos imigrantes estão escapando de uma situação em sua pátria transformada em desespero pela intervenção e política americana. O aumento particularmente severo da migração hondurenha para os EUA nos últimos anos é resultado direto do golpe militar de 28 de junho de 2009, que derrubou o presidente democraticamente eleito, Manuel Zelaya, depois de fazer coisas como elevar o salário mínimo, dar subsídios a pequenos agricultores e institucionalizar a educação gratuita. O golpe, como tantos outros na América Latina, foi liderado por um graduado da infame Escola das Américas, em Washington.

De acordo com o texto padrão do hemisfério ocidental, o golpe de Estado hondurenho foi seguido pelas políticas abusivas do novo regime, lealmente apoiado pelos Estados Unidos. O Departamento de Estado estava virtualmente sozinho no Hemisfério Ocidental ao não condenar inequivocamente o golpe de Estado hondurenho. Na verdade, o governo Obama se recusou mesmo a chamá-lo de golpe, que, de acordo com a lei americana, vincularia as mãos de Washington quanto à quantidade de apoio que poderia dar ao governo golpista. Esta negação da realidade continuou a existir mesmo quando uma nota da embaixada dos EUA divulgada pela Wikileaks em 2010 declarou: “Não há dúvida de que o exército, a Suprema Corte e o Congresso Nacional conspiraram em 28 de junho de 2009, no que constituiu um golpe ilegal e inconstitucional contra O Poder Executivo”. O apoio de Washington ao governo hondurenho de extrema-direita continuou desde então.

Além de Honduras, Washington derrubou governos progressistas que estavam sinceramente comprometidos com a luta contra a pobreza na Guatemala e na Nicarágua; Enquanto em El Salvador os EUA desempenharam um papel importante na supressão de um movimento que se esforçava para instalar tal governo. No México, ao longo dos anos, os EUA têm proporcionado treinamento, armas e tecnologia de vigilância à polícia e às forças armadas do México para melhorar sua capacidade de suprimir as aspirações de seus próprios povos, como em Chiapas, em 1994, e isso aumentou o influxo dos oprimidos para os Estados Unidos, não obstante a ironia.

Além disso, o Tratado de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA) trouxe uma inundação de produtos agrícolas americanos baratos e subsidiados para o México, devastando comunidades camponesas e expulsando muitos agricultores mexicanos da terra quando não conseguiam competir com o gigante do norte. O subseqüente Acordo de Livre Comércio da América Central (CAFTA) trouxe as mesmas alegrias ao povo daquela área.

Esses acordos de “livre comércio” – como fazem em todo o mundo – também resultaram na privatização de empresas governamentais, na redução da regulamentação das empresas e na redução do orçamento social. Acrescente a isso o deslocamento de comunidades por projetos de mineração estrangeiros e a drástica militarização liderada pelos EUA na guerra contra as drogas com a violência que acompanha e você tem a tempestade perfeita de sofrimento seguida pela tentativa de escapar do sofrimento.

Não é que todas essas pessoas prefiram viver nos Estados Unidos. Eles prefeririam ficar com suas famílias e amigos, ser capazes de falar sua língua nativa o tempo todo, e evitar as dificuldades que lhes são impostas pela polícia americana e outros direitistas.

Sr. T., se alguém puder lê-lo corretamente – nem sempre uma tarefa fácil – insiste que ele se opõe à marca registrada da política externa americana: mudança de regime. Se ele mantivesse suas mãos ianques fora da mudança política e social no México e na América Central e doasse como compensação uma boa parte dos bilhões a serem gastos em sua Grande Muralha para essas sociedades, poderia haver uma redução notável na linha sem fim De pessoas desesperadas arranhando seu caminho para o norte.

Assassinatos: Putin e Clintons.

Entre as muitas denúncias repetidas do presidente russo Vladimir Putin é que ele não pode ser confiável porque ele passou muitos anos no serviço de inteligência secreta soviética, a KGB.

Bem, considere que antes de se tornar o presidente dos EUA George H. W. Bush era o chefe da CIA.

Putin, dizem-nos também, tem seus inimigos assassinados.

Mas considere o caso de Seth Rich, o funcionário do Comitê Nacional Democrático de 27 anos que foi morto a tiros em uma rua de Washington, D.C. em julho passado.

Em 9 de agosto, numa entrevista ao programa de televisão holandês Nieuwsuur, Julian Assange parecia sugerir claramente que Seth Rich era a fonte dos e-mails DNC da Wikileaks e foi assassinado por isso.

Julian Assange: “Nossos denunciantes vão a esforços significativos para nos fornecer material e muitas vezes enfrentam riscos muito significativos. Um jovem de 27 anos que trabalha para o DNC, foi baleado nas costas, assassinado há poucas semanas por razões desconhecidas, enquanto andava pela rua em Washington, D.C.”

Repórter: “Isso foi apenas um roubo, eu acredito. Não foi?

Julian Assange: “Não. Não há nenhuma descoberta. Então… Eu estou sugerindo que nossas fontes assumem riscos.” (Veja também Washington Post, 19 de janeiro de 2017)

Mas… mas… isso foi hacker russo, não foi? Não é um vazamento, certo?

Se você tem prestado atenção ao longo dos anos, você sabe que muitos outros assassinatos foram atribuídos aos Clintons, começando em Arkansas. Mas Bill e Hillary tenho certeza que não são culpados de todos eles. (no Google “murders connected clintons” (assassinatos conectados clintons)).

A escassez assustadora de armas na América.

O presidente Trump assinou uma ordem executiva na sexta-feira para lançar o que ele chamou de “uma” grande reconstrução das Forças Armadas” que deverá incluir novos navios, aviões, armas e a modernização do arsenal nuclear dos EUA”.

Isso é algo regularmente defendido pelos líderes militares e civis americanos.

Pergunto a todos a mesma pergunta: você pode citar uma guerra estrangeira que os Estados Unidos perderam por causa de um número insuficiente de navios, aviões, tanques, bombas, armas, munições ou arsenal nuclear? Ou porque o que eles tinham era ultrapassado, contra um inimigo com armas mais modernas?

Esse velho assunto cansado.

O senador Jeff Sessions, candidato de Donald Trump para a Procuradoria Geral, declarou há dois anos: “Em última análise, a liberdade de expressão é sobre a verificação da verdade. E se você não acredita que há uma verdade, você não acredita na verdade, se você é um laicista absoluto, então como nós operamos este governo? Como podemos formar uma democracia do tipo em que eu e você cremos… Eu acredito que somos uma nação que, sem Deus, não há verdade, e é tudo sobre poder, ideologia, avanço, agenda, não fazer a democracia serviço público.”

Então… se alguém é ateu ou agnóstico, não está inclinado para o serviço público. Isto, naturalmente, é facilmente refutado por todos os ateus e agnósticos que trabalham para diferentes níveis de governo e numerosas organizações sem fins lucrativos envolvidos em todos os tipos de projetos sociais, de pobreza, de paz e ambientais.

Quem é o mais virtuoso – o crente que vai à igreja e faz boas ações porque espera ser recompensado por Deus ou pelo menos não ser punido por Deus, ou o não crente que vive uma vida muito moral porque o perturba agir cruelmente e está de acordo com o tipo de mundo que ele quer ajudar a criar e viver? Lembre-se, a guerra no Iraque God-awful (sem trocadilhos) foi iniciada por um homem que passa por todos os movimentos de uma pessoa muito religiosa.

Christopher Hitchens, em resposta ao artigo conservador do colunista Michael Gerson, “O que os ateus não podem responder”, escreveu: “Quão insultante é a sugestão latente de sua posição: a insinuação terrível que eu não saberia do errado se eu não fosse orientado sobrenaturalmente por uma ditadura celestial… simplesmente assume, se a religião é ou não metafisicamente “verdadeira”, que pelo menos ela representa a moralidade… Aqui está o meu desafio. Deixe Gerson nomear uma declaração ética feita ou uma ação ética realizada por um crente que não poderia ter sido proferido ou feito por um não-crente.

Gerson, deve ser notado, foi o principal redator de discursos da já mencionada pessoa muito religiosa, George W. Bush, por cinco anos, inclusive quando Bush invadiu o Iraque.

Phil Ochs.

Eu estava virando as páginas do Sunday Post (29 de janeiro) seção de recurso, Outlook, não encontrando muito de interesse particular, quando, para minha grande surpresa, eu fui de repente batido com uma longa história sobre Phil Ochs. Quem é Phil Ochs? Muitos de vocês podem perguntar pelo cantor folk que morreu em 1976 na idade de 35.

A motivação do Post em dedicar tanto espaço a um símbolo da esquerda anti-guerra americana parece ser mais um exemplo do descontentamento grave do jornal com Donald Trump. O artigo intitula-se “Phil Ochs é o obscuro cantor popular dos anos 60 que precisamos hoje”.

Minha canção favorita, entre muitas outras, é “eu não estou marchando mais”:

Oh eu marchei para a batalha de Nova Orleans
No final da primeira guerra britânica
A terra jovem começou a crescer
O sangue novo começou a fluir
Mas eu não vou mais marchar

Porque eu matei minha parcela de índios
Em mil lutas diferentes
Eu estava lá no Little Big Horn
Eu ouvi muitos homens mentindo, eu vi muitos mais morrendo
Mas eu não vou mais marchar

(coro)
É sempre o velho para nos levar à guerra
É sempre o jovem a cair
Agora olhe para tudo o que ganhou com o sabre e a arma
Diga-me que vale a pena tudo?

Porque eu roubei a Califórnia da terra mexicana
Lutei na sangrenta Guerra Civil
Sim, eu até matei meus irmãos
E tantos outros
Mas eu não vou mais marchar

Pois eu marchava para as batalhas da trincheira alemã
Em uma guerra que estava destinada a acabar com todas as guerras
Oh, devo ter matado um milhão de homens
E agora eles me querem de volta
Mas eu não vou mais marchar

(coro)
Porque eu voei a missão final no céu japonês
Defina o poderoso rugido do cogumelo
Quando eu vi as cidades queimando
Eu sabia que eu estava aprendendo
Que eu não estou marchando mais

Agora o líder do trabalho grita ‘
Quando fecham as usinas de mísseis,
United Fruit grita na costa cubana,
Chamá-la de “Paz” ou chamá-la de “traição”.
Chamá-lo de “Amor” ou chamá-lo de “Razão”
Mas eu não estou mais marchando,
Não, eu não vou mais

Ironicamente, muito ironicamente, Donald Trump pode muito bem ser menos um guerreiro maior do que Barack Obama ou Hillary Clinton.

Leia também: Preparando para a guerra com a Rússia e a China: A conquista da dominação global dos EUA depende da tecnologia espacial.

Leia também: Se você é pela paz você é um agente russo: Notícias falsas são encobrimento dos crimes de guerra dos EUA.


Notas:

1 Washington Post, January 13, 2017
2 Agence French Presse, January 4, 2016
3 NPR, January 9, 2017
4 Washington Post, January 28, 2017
5 The Daily Beast, January 12, 2017, reporting on remark made November 14, 2014

Autor: William Blum

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Global Research.ca

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
http://wp.me/p26CfT-4PG

Acompanhe a série “Como será a vida no futuro: A Agenda Oculta da Nova Ordem Mundial” publicada todos os domingos em Dinâmica Global.

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA