A questão albanesa nos Balcãs.


Desde a queda da República Federativa Socialista da Iugoslávia, os albaneses são os principais atores da instabilidade nos Balcãs. Ao mesmo tempo, eles são os servos mais fiéis dos EUA nos Balcãs.

O projeto da Grande Albânia, que remonta ao século XIX, é uma idéia da unificação de todos os albaneses em um estado. Ou seja, a Liga Prizren exigiu o reconhecimento da identidade nacional dos albaneses e da autonomia da Albânia no Império Otomano.

Hoje, os albaneses vivem em dois países, Albânia e Kosovo* e em países vizinhos. O cenário da Grande Albânia inclui a separação da Macedônia Ocidental (Struga, Kičevo, Debar, Tetovo, Gostivar, Kumanovo, parte da capital Skopje) e depois as outras partes nos Balcãs com a população albanesa (o Vale de Presevo no sul da Sérvia, Presevo, Bujanovac, Medvedja), partes do sul e do leste de Montenegro (município de Ulcinj e partes dos municípios de Bar, Plav, Rozaje, Gusinje e capital Podgorica), bem como o Epirus do sul grego. Se necessário, essas bordas podem ser reduzidas se verificar que é impossível criá-las nesta forma. O que torna a política albanesa reconhecida nos Bálcãs é a manipulação.

Uma das principais armas dos albaneses é a taxa de natalidade. Ou seja, os números para os quais eles afirmam serem os únicos verdadeiros. Com o apoio dos EUA, o número de albaneses na região aumenta constantemente ficticiosamente. Por conseguinte, é necessário analisar a situação real com o número de albaneses na região. Depois de décadas de aumento do número de albaneses na Sérvia, sob a benção dos comunistas iugoslavos e do regime de Slobodan Milosevic, em 2011 o censo foi realizado no Kosovo * (província do sul da Sérvia). Os resultados finais para o censo de 2011 mostraram que o Kosovo (excluindo o norte do Kosovo) tem 1 739 825 habitantes. O Kosovo do Norte é predominantemente povoado pelos sérvios. Antes do censo no oeste, estimava-se que o Kosovo tivesse uma população de cerca de 2, 200 mil habitantes. A última estimativa da Agência de Inteligência Central dos EUA é que no Kosovo, em julho de 2016, viveu 1, 883, 018 inibidores. No entanto, na realidade, todos esses dados são artificialmente aumentados. De acordo com as estimativas do governo sérvio, no Kosovo há menos de 1.300.000 habitantes, dos quais 120.000 são sérvios. Esta avaliação baseou-se na análise do tráfego telefônico e das conexões telefônicas móveis per capita no Kosovo. No entanto, o que todos concordam é que o número de albaneses está a diminuir rapidamente no Kosovo. A principal razão para isso é a alta pobreza e corrupção. A situação é similar na Albânia. Albania oficial é um dos países mais homogêneos dos Balcãs, mas, na realidade, as coisas parecem diferentes. De acordo com o recenseamento de 2011, os albaneses fizeram 2.312.356 (82,6%), gregos 24, 243 (0,9%), macedonianos 5, 512 (0,2%), montenegrinos 366 (0,01%), Aromanianos 8, 266 (0,30%), Romani 8 , 301 (0,3%), egípcios dos Balcãs 3, 368 (0,1%) e outros 2,644 (0,1%). Cerca de 14% ou 390,938 não declararam etnia e 44.144 (1,6%) não eram relevantes. Também é claro que há manipulação neste recenseamento.

De acordo com estimativas de organizações sérvias, na Albânia vivem mais de 30 000 sérvios, principalmente no norte da Albânia. A maioria das manipulações que o governo albanês está fazendo sobre o número de gregos. A figura real do número grego na Albânia é de 200 000, e os especialistas ocidentais neutros também concordam com esse número. Deve salientar-se que o Governo grego afirma que 300 mil gregos vivem na Albânia. Infelizmente, o governo dos EUA considera que 1,17% dos gregos vivem na Albânia, embora eles saibam que esse número é impreciso. Na Albânia, também há muita emigração por crime, corrupção e má governança do estado. Entre 1991 e 2004, cerca de 900 000 pessoas migraram para fora da Albânia. No vale de Preshevo (sul da Sérvia), no censo de 2002, o município de Presevo tinha 31, 098 albaneses e algo abaixo de 4.000 não albaneses, o município de Bujanovac – 23, 681 albaneses e 19 mil mil não albaneses e o município de Medvedja, algo abaixo de 8,000 sérvios e montenegrinos, e 2.816 albaneses. Os albaneses boicotaram o recenseamento populacional em 2011 porque mais de 30.000 albaneses migraram do Vale de Presevo para o oeste, o que significa que a estrutura étnica mudou. Representantes de associações sérvias desses 3 municípios apontam que os dados, tomados como oficiais, são forjados e que, no vale de Preshevo, vivem apenas metade dos albaneses a partir de dados oficiais. Os serbeiros locais afirmam que, sob o município de Bujanovac, atualmente há menos de 12 mil albaneses, que é duas vezes menor do que o censo de 2002, que é apenas relevante para os albaneses.

Presidente do Órgão de Coordenação dos municípios de Presevo, Bujanovac e Medvedja, Zoran Stankovic disse que o estado está considerando um novo recenseamento, mas que ainda é cedo para a história da data de sua manutenção, porque é necessário preparar tudo bem. O Sr. Stankovic afirmou isso em 2013, mas até o presente dia, nada foi feito sobre essa questão. Os sérvios de Bujanovac afirmam que a discriminação política está em cena ao brincar com o número de habitantes albaneses, e é por isso que eles se tornaram cidadãos da segunda ordem em seu próprio país e esperam que o estado regule as listas eleitorais, o que, dizem eles, estão preenchidos com nomes falsos e cidadãos inexistentes. Ao mesmo tempo, tais alegações foram chantageadas na Macedônia também, onde os albaneses têm pretensões territoriais e no censo da população local. De acordo com o censo de 2002 na Macedônia, os albaneses representam 25% da população. O censo de 2011 albaneses boicotou após dez dias de enumeração. A lei proíbe que possam ser enumerados cidadãos que vivem no exterior mais de um ano. Uma vez que um número significativo de albaneses deixou a Macedônia e foi para o Ocidente, o número real de albaneses que vivem na Macedônia seria mostrado. Nessa época, o partido macedônio conservador nacional – VMRO – DPMNE chamou a atenção, que houve manipulação no censo da época. De acordo com seus dados, 120 mil albaneses que não viveram na Macedônia há muito tempo foram enumerados. E esse é um problema significativo. O acordo de Ohrid de 2001, que encerrou o conflito armado entre os separatistas albaneses e as forças armadas do estado macedônio, tem uma base no censo de 2002. Sob esse acordo, os membros das minorias nacionais, principalmente albanes, têm uma maior influência política, tanto a nível estatal como local. Em lugares onde representam mais de 20% da população, os albaneses receberam mais direitos no governo local.

De acordo com o recenseamento de 2011, 30, 439 albaneses vivem no Montenegro. E representam 4,91% da população montenegrina. No Montenegro, os albaneses reclamam que são discriminados, embora tenham todos os direitos. Como nos países vizinhos, eles também tentaram causar problemas no Montenegro. Na operação antiterrorista, o “voo da águia”, que foi conduzido pela polícia montenegrina, foi preso a um grupo de albaneses que planejavam atletas terroristas e um conflito armado em partes habitadas pelo albanês de Montenegro. O grupo que foi preso em 2006 foi condenado em 51 anos de prisão. O objetivo principal dos grupos era “violar a ordem constitucional e a segurança do Montenegro”, “causar instabilidade, intolerância religiosa e nacional” e “pôr em perigo as vidas, a propriedade, as instalações religiosas e culturais”, afirmou o governo montenegrino. Desde que os EUA conquistaram os Balcãs geopolíticamente, os albaneses foram colocados acima da lei. A história da atividade albanesa do final do século 20 é importante porque nos mostra toda a hipocrisia dos EUA. E se os EUA representam a democracia, a justiça e a proteção de todas as comunidades religiosas e étnicas, por exemplo de seus aliados nos Balcãs, podemos ver que as coisas não são assim. Quando a OTAN realizou a agressão contra a Iugoslávia (Sérvia e Montenegro) em 1999, e após a assinatura de um acordo técnico militar em Kumanovo, o exército iugoslavo (Sérvia e Montenegro) retirou-se do Kosovo. E lá pudemos ver toda a essência dos EUA e da OTAN. Tudo o que aconteceu depois foi com a aprovação dos EUA. E no Kosovo, sob o controle da OTAN ocorreram coisas terríveis.

Desde a chegada da OTAN ao Kosovo, mais de 250 mil mil não albaneses foram expulsos. Em outras palavras, a limpeza étnica foi realizada. Em 17 de março de 2004, sob os olhos das tropas da OTAN, os albaneses do Kosovo começaram a atacar a minoria dos sérvios do Kosovo. Essa foi a maior agitação desde a guerra contra o Kosovo de 1998 a 1999. O motivo oficial da agitação foi o afogamento de duas crianças albanesas em um rio na aldeia de Cabra, por cuja morte a mídia e os políticos albaneses culparam os sérvios de uma vila vizinha Zupče. Na verdade, era apenas uma desculpa para a limpeza étnica dos sérvios. Tudo foi feito com a aprovação tácita do Ocidente. Durante a agitação, estima-se que cerca de 4.000 sérvios foram expulsos de suas casas em todo o Kosovo. Durante o pogrom, 28 pessoas foram mortas, 35 mosteiros ortodoxos foram destruídos ou profanados, e cerca de 930 lares sérvios foram queimados e destruídos. Além das condenações públicas de todos os atores internacionais, muitos participantes permaneceram impunes nesta data. Um pequeno grupo que foi punido foi punido com penalidades esmagadoras.

O mesmo aconteceu na Macedônia. Em 31 de agosto de 2001, Aleksandar Damovski, diretor do diário macedônio mais circulante Dnevnik, deu a seguinte informação para o portal “BH Dani”: “Atualmente, na Macedônia, há 60 mil macedônios fora de suas casas, não com vontade própria. Eles foram expulsos de suas próprias casas por extremistas albaneses operando no território da Macedônia. A pressão sobre os macedónios, no território onde a minoria albanesa é maioritária, está cada vez maior a cada dia. Macedônios em Tetovo e Gostivar estão trancados em seus apartamentos, eles não podem sair…”

Basicamente, a questão albanesa é imposta artificialmente. Hoje, o projeto da Grande Albânia não é apenas uma idéia extremista, mas um projeto que beneficia o apoio dos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Alemanha e pode contar com o apoio de alguns círculos islâmicos. Até agora, os EUA investiram fortemente no projeto da Grande Albânia, por isso não é realista esperar mudanças nesta questão na política dos EUA. Ou seja, o projeto dos EUA da criação de uma grande Albânia entrou na fase ativa após a dissolução da República Socialista Federal da Iugoslávia. Desde então, os dias atuais foram implementados por meios militares e diplomáticos.

Claro, há uma história de envolvimento dos EUA nos Balcãs e deve ser dada atenção a vários pontos-chave.

    1. O papel dos EUA e da OTAN em guerras civis na Croácia e na Bósnia, luta ativa contra os sérvios e sanções contra a Sérvia, o que enfraqueceu significativamente a Sérvia.
    2. Bombardeio da NATO contra a Sérvia, em 1999, e ocupação do Kosovo.
    3. Uma revolução de cores que ocorreu na Sérvia em 5 de outubro de 2000, que significava uma ocupação silenciosa da Sérvia, com a qual começou a destruição do poderoso exército sérvio, que na guerra havia envergonhado a OTAN.
    4. Uma curta guerra na Macedônia e Acordo de Ohrid que foi imposta aos macedônios, como um projeto dos EUA que iniciou o processo de reformas “políticas” na Macedônia através de mudanças constitucionais e a adoção de uma série de novas leis que proporcionavam direitos muito maiores aos albaneses na Macedônia.
    5. O apoio dos EUA à independência montenegrina, que enfraqueceu a Sérvia. Com a separação do Montenegro da Sérvia, a Sérvia perdeu o acesso ao mar. Além disso, os Estados Unidos criaram o Platsdarm do Montenegro contra a Sérvia.
    6. Os EUA desempenharam um papel fundamental na declaração da independência do Kosovo em 2008, embora isso fosse contrário ao direito internacional.

Em ambos os países albaneses de hoje, como anteriormente, existe uma regra de crime e corrupção. A questão lógica é por que tanto interesse tem os EUA e algumas outras potências ocidentais no apoio à criação de uma Grande Albânia. A resposta é na geopolítica e na história. A Albânia é necessária aos EUA e ao Ocidente como outro chicote contra os sérvios.

Portanto, deve-se lembrar a declaração de Tony Blair, o ex-primeiro-ministro britânico, durante a agressão da OTAN contra a Sérvia e Montenegro em 1999: “A guerra contra os sérvios não é mais um conflito militar. É uma batalha entre o bem e o mal, entre civilização e barbárie…”. Esta declaração fascista fala o suficiente. Os sérvios aos olhos de historiadores ocidentais e geopolíticos são os russos dos Balcãs. Em outras palavras, apenas com a Sérvia forte, a Rússia pode, da melhor maneira, alcançar seus interesses geopolíticos nos Balcãs.

Portanto, o Ocidente, primeiro de todos os EUA e Grã-Bretanha, prossegue sua política nos Balcãs, que para o objetivo seja um enfraquecimento constante dos sérvios. Para pôr fim à desastrosa política dos EUA nos Balcãs é necessária uma presença mais forte da Rússia e da China nos Balcãs, principalmente na Sérvia.

Isso se refere especialmente à necessidade de que a Rússia ajude a Sérvia a ser novamente um estado independente, não um país onde os embaixadores ocidentais decidam sobre a política externa e doméstica da Sérvia. Para o resultado, isso teria imediatamente o fortalecimento econômico e militar da Sérvia. Nessa questão, está ocorrendo um progresso significativo. A Sérvia torna-se novamente a principal força armada nos Balcãs Ocidentais. Não só por causa da doação russa de armas, mas principalmente por causa do trabalho diplomático ativo da diplomacia russa sobre a “libertação” da Sérvia do controle dos EUA. Com o fortalecimento da Sérvia e com o papel que a Sérvia tinha no passado, os Balcãs Ocidentais poderiam novamente esperar um futuro próspero. Portanto, a questão albanesa nos Balcãs seria resolvida.


Autor: Slavisha Batko Milacic

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Geopolitica.ru

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-6rS

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA

Uma consideração sobre “A questão albanesa nos Balcãs.”

  1. Exterminar Albaneses um projeto Futuro..origem dos Albaneses Turcos ,entao voltem pra la…….essa terra dos Eslavos Sagrados para sempre.

    Curtir

Obrigado pela visita. Sempre que puder confira novas publicações.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s